Blog Lynaldo Cavalcanti

Finep e Fapesp lançam chamada para pesquisa em saúde

07

dez

2017

A Finep e Fapesp acabam de anunciar o lançamento de uma chamada de propostas para pesquisa inovativa aplicada ao desenvolvimento de tecnologias, insumos, produtos, serviços e processos na área da saúde.

São elegíveis como proponentes microempresas, empresas de pequeno porte e pequenas empresas brasileiras, sediadas no estado de São Paulo, constituídas e ativas, no mínimo, doze meses antes do lançamento do edital. O prazo para submissão de propostas termina em 16 de março de 2018, e a chamada está publicada em: www.fapesp.br/11425 . As propostas devem ser submetidas pelo Sistema de Apoio à Gestão (SAGe) da Fapesp: www.fapesp.br/sage .

Esta chamada é lançada no âmbito do acordo de cooperação entre as duas instituições – Programa Pappe Subvenção – para apoiar pesquisa em ciência e tecnologia como mecanismo para desenvolver a inovação tecnológica, incrementar a competitividade das empresas, aumentar a contribuição da pesquisa tecnológica para o desenvolvimento econômico e social, incentivar a ampliação de investimento privado e o seu adensamento em pesquisa tecnológica por empresários paulistas. Serão empregados recursos orçamentários da Fapesp e de subvenção econômica (recursos não reembolsáveis) via MCTI/Finep/FNDCT.

Esta chamada oferece recursos para empresas que já tenham conduzido pesquisas que resultaram em novas tecnologias, processos ou produtos inovadores no âmbito de projetos financiados pelo PIPE Fase 1, Fase 2 ou em projetos equivalentes conduzidos com recursos próprios ou de outras fontes.

As propostas serão inicialmente analisadas para enquadramento e deverão seguir as normas do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), exceto quando menção em contrário especificada na chamada.

A Fundação está especialmente interessada em propostas que respondam aos seguintes desafios tecnológicos: síntese de nucleotídeos (DNA e RNA); síntese, produção e purificação de enzimas, peptídeos, anticorpos e proteínas recombinantes; produção e manutenção de células em cultura e animais de laboratório; bioinformática e uso de informação “open-access” de banco de dados biológicos; kits para diagnóstico; e biossimilares.

(com informações da Fapesp)

Deixe uma resposta